1. Home
  2. /
  3. Degustação
  4. /
  5. Para beber de joelhos: 3 cervejas feitas em mosteiros
Para beber de joelhos: 3 cervejas feitas em mosteiros
Em 04/05/2022 às 10h53.

Para beber de joelhos: 3 cervejas feitas em mosteiros

Os monges foram os verdadeiros guardiões da cultura cervejeira durante a Idade Média e, até hoje, existem cervejas monásticas deliciosas; conheça três rótulos para beber de joelhos.

Luis Celso Jr.
Por Luis Celso Jr., cervejar.com
Jornalista e Sommelier de cerveja

O envolvimento da igreja, especialmente cristã, com a cerveja é bastante antigo. Provavelmente, a bebida já era feita em mosteiros desde o final do Império Romano. Mas, é certo que a expansão das ordens monásticas aconteceu na Idade Média, por volta do ano 500 d.C., com a dominação de parte da Europa por tribos germânicas.

Os monges foram os verdadeiros guardiões da cultura da cerveja. Diferente da população em geral, eles eram alfabetizados e podiam registrar suas receitas e processos. Também podiam compartilhar esses escritos com outros monges e, principalmente, usar o conhecimento científico para melhorar a bebida, desenvolvendo a tecnologia da época.

Em grande parte, é por isso que as cervejas monásticas, também conhecidas como cervejas de abadia, sempre tiveram um reconhecimento especial.

Com a Reforma Protestante, no século XVI, e a Queda da Bastilha, em 1789, a Igreja Católica perdeu força e muitas das abadias europeias foram destruídas, se recuperando, aos poucos, a partir do século XIX.

Em especial a Ordem Trapista se tornou uma excelente produtora de cervejas, dando origem ao termo “cerveja trapista” – hoje, uma denominação de origem que garante que a cerveja foi feita em mosteiros desta ordem, por monges, ou sob supervisão deles.

Então, que tal experimentar três cervejas de abadia e trapistas? Garanto que são de beber de joelhos.

Leffe Blonde

A Leffe é uma das marcas mais difundidas. Essa cerveja tem início no ano de 1240, na abadia Notre-Dame de Leffe, na Bélgica, fundada em 1152. Além de um grande envolvimento com a comunidade, o mosteiro funcionava como hospedaria, o que ajudou a espalhar a fama da cerveja com os viajantes. Experimente a Leffe Blond, uma cerveja dourada e leve, com aromas de frutas amarelas, como pêssegos, condimentados, como noz-moscada, e bastante refrescante.

Weihenstephaner Hefe Weissbier

Essa cervejaria alemã é a mais antiga do mundo ainda em funcionamento. Ela comercializa cervejas desde 1040, e também teve origem em um mosteiro. A abadia de Weihenstephan foi fundada no ano 725, em Frising, parte sul da Alemanha, e extinta em 1803. O mesmo local passou a abrigar uma escola de agricultura e cervejaria, que veio a ser a parte da Universidade Técnica de Munique.

Desde 1921, a bebida é produzida pela Cervejaria Bávara Estatal, de Weihenstephan, na mesma colina da abadia. Experimente a Weihenstephaner Hefe Weissbier, uma cerveja de trigo alemã clássica, com aromas frutados e condimentados, lembrando cravo e banana, refrescante e saborosa.

Chimay Rouge

Produzida por monges da abadia de Notre-Dame de Scourmont, na Bélgica, é uma legítima cerveja trapista. O mosteiro foi fundado em 1850, e começou a produzir cerveja em 1862. Foi destruído na Segunda Guerra Mundial, e voltou a produzir apenas em 1944. Foi a primeira a usar o nome cerveja trapista e produz uma série de cervejas deliciosas lá mesmo, sob supervisão dos monges.

Experimente a Chimay Rouge, uma Belgian Dubbel escura, de cor marrom, com aromas de maltes tostados, caramelo, e frutados, como frutas secas, de paladar adocicado, corpo médio e 7% de álcool.

Mercado Cervejeiro
22/09/2022 às 10h58.

Oktoberfest: Conheça as 5 maiores do mundo

Você sabia que a festa de Munique não é a maior do mundo? Saiba quais são as cinco maiores Oktoberfests e suas curiosidades.

Compartilhe
Mercado Cervejeiro
19/09/2022 às 15h14.

De 2013 até os dias atuais. A expansão do Mondial no Brasil

Gabriel Pulcino, gerente de negócios do Mondial de la Bière conta um pouco sobre as histórias por trás de um dos maiores festivais de cervejas do mundo.

Compartilhe