1. Home
  2. /
  3. Degustação
  4. /
  5. Deguste o malte: 5 cervejas para entender os aromas e sabores dessa matéria-prima
Deguste o malte: 5 cervejas para entender os aromas e sabores dessa matéria-prima
Em 02/12/2022 às 11h30.

Deguste o malte: 5 cervejas para entender os aromas e sabores dessa matéria-prima

A cor e alguns dos aromas e sabores da cerveja vêm do malte; confira cinco rótulos para entender a contribuição dessa matéria-prima na bebida.

Luis Celso Jr.
Por Luis Celso Jr., cervejar.com
Jornalista e Sommelier de cerveja

O malte é uma das quatro matérias-primas básicas da cerveja, ao lado da água, do lúpulo e da levedura. Cada uma delas tem sua função na composição da bebida, além de contribuir de alguma forma com o aroma e o sabor da cerveja. Mas, afinal, para que serve o malte?

O malte não é o cereal em si. Ele é o resultado da germinação controlada e da posterior secagem e/ou torrefação do grão. No entanto, além da questão técnica, esse processo também vai trazer atributos sensoriais para a cerveja. A secagem, tosta e torra do grão influenciam na cor, aroma e sabor da bebida.

Assim, um malte que foi delicadamente seco vai trazer cor clara, além de notas de cascas de pão. Já aquele que foi intensamente torrado, traz cores escuras e possíveis aromas e sabores de chocolate, cacau e café.

Então, que tal degustar algumas cervejas para entender melhor a contribuição dos maltes na bebida? Selecionamos cinco rótulos que ilustram bem essas possibilidades.

1 – Colorado Cauim – American Lager

Cervejas bem claras, como as American Lagers, normalmente levam apenas o malte Pilsen, um dos mais claros e com aromas e sabores mais suaves. A Colorado Cauim é um ótimo exemplo, porque traz aroma e sabor que remetem a cascas de pão e cereais, típicos dessa secagem “gentil” dos grãos.

2 – Eisenbahn- Vienna Lager

O mesmo processo de secagem dos grãos pode ter temperatura e tempo aumentados de modo a tostar mais o malte. É dessa forma que são criados maltes como o Vienna, feito pela primeira vez, em 1940, na capital da Áustria. A Eisenbahn tem uma ótima Vienna Lager, estilo criado com esse malte na mesma data. De cor âmbar claro, apresenta notas de pão tostado e biscoito.

3 – Leuven Red Knight – Irish Red Ale

Em geral, maltes tostados são feitos com o grão pronto, ou seja, já seco, e depois submetidos a uma tosta mais elevada. No entanto, também é possível fazer isso como eles ainda úmidos, recém-saídos do processo de germinação. Nesse caso, são criados os maltes do tipo cristal, justamente porque há uma certa cristalização ou caramelização dos açúcares. Hoje, cervejas do estilo Irish Red Ale utilizam esse material, o que dá uma cor avermelhada, além de notas de açúcar caramelizado. Experimente a Leuven Red Knight.

4 – Blumenau Macuca – Russian Imperial Stout

Maltes torrados mudam de sabor de acordo com a intensidade da torra. Podem variar de chocolate, cacau e até mesmo café, em diferentes intensidades. Cervejas do estilo Russian Imperial Stout, normalmente, têm notas destacadas de cacau e chocolate, com suaves toques que remetem a café de torra leve ou média. São cervejas complexas, encorpadas e alcoólicas. A Blumenau Macuca tem 10,5% e exatamente esse perfil de maltes torrados variados.

5 – Guinness Draught – Irish Dry Stout

A Guinness é uma das cervejas mais conhecidas do mundo. De cor escura, também usa maltes torrados. No aroma, as notas lembram mais caramelo e chocolate, mas na boca, ao final do gole, há um amargor de torra, como um café intenso sem açúcar. Esse sabor de torra elevada, muitas vezes descrito como café expresso ou queimado, também vem dos maltes e da cevada crua torrada.

 

Mercado Cervejeiro
30/01/2023 às 11h30.

Michael Jackson da cerveja: Conheça o escritor que inspirou gerações de cervejeiros

Você sabia que o universo cervejeiro tem o seu Michael Jackson? Conheça a história do Beer Hunter, o jornalista que viajou o mundo em busca de uma cerveja excepcional.

Compartilhe
Mercado Cervejeiro
26/01/2023 às 11h30.

Pertinho de São Paulo: 5 lugares para beber cerveja artesanal em Campinas

A pouco mais de 80 quilômetros de São Paulo, Campinas é recheada de opções para curtir uma boa cerveja artesanal; conheça cinco lugares para beber na cidade.

Compartilhe