1. Home
  2. /
  3. Mercado Cervejeiro
  4. /
  5. Copo Stanley: vale a pena para cerveja?
Copo Stanley: vale a pena para cerveja?
Em 14/03/2022 às 10h20.

Copo Stanley: vale a pena para cerveja?

Criada em 1913, a marca se especializou em produtos térmicos de aço com isolamento a vácuo, mas os preços não são muito convidativos; um único copo pode custar entre R$ 150 e R$ 250.

Luis Celso Jr.
Por Luis Celso Jr., cervejar.com
Jornalista e Sommelier de cerveja

Amado por uns, odiado por outros, o copo Stanley chegou ao Brasil, fez sucesso e já virou até meme. Criada na cidade de Nova York, em 1913, pelo norte-americano William Stanley Jr., a marca Stanley teve início com garrafas térmicas de aço com isolamento a vácuo.

A tecnologia de isolamento a vácuo começou a ser pesquisada ainda no século XVII, pelo físico italiano Evangelista Torricelli. Em 1892, foi aperfeiçoada pelo escocês James Dewar, que criou o primeiro frasco. Mas a solução só começaria a ser explorada comercialmente, em 1903.

Mais de cem anos depois, em 2014, a PWI Worldwide, que detém a marca, comprou a empresa familiar Aladdin, e entrou de vez no mercado brasileiro. Isso trouxe uma melhor logística e a estratégia da marca foi focar na região Sul, onde os produtos poderiam manter, por horas, a temperatura da água quente e do chimarrão.

No ano passado, as vendas explodiram nos EUA. Além de eficientes, o lançamento de copos em tons pasteis chamou atenção, por serem bonitos e muito “instagramáveis”.

O sucesso

Na América Latina, a PWI Worldwide já cresceu em faturamento mais de 700%, desde 2018, segundo a Exame. O sucesso veio principalmente pela mudança de estratégia e o uso de influenciadores digitais. Em vez de estarem apenas associados às bebidas quentes, a marca apostou nas geladas, como a cerveja. O Brasil é o terceiro maior produtor de cerveja do mundo, e o consumidor gosta da bebida bem gelada

Andréa Martins, presidente da empresa para América Latina e executiva por trás da estratégia, vê como segredo do sucesso a capacidade da empresa em olhar para os hábitos de consumo do público e usar insights para o desenvolvimento de produtos. Aliado a isso, divulgação “boca a boca” e estratégia digital forte fizeram o nome Stanley ressurgir.

Polêmica cervejeira

A origem da divergência entre defensores e detratores do copo Stanley é em grande parte sensorial, mas com algum componente econômico. Os defensores apontam a beleza e eficiência do produto como pontos fortes. De outro lado, há vários argumentos.

O primeiro é que por não ser transparente, o copo impede o bebedor de ver os aspectos visuais da bebida. O que é ainda mais grave no caso da cerveja artesanal, que varia mais nesse sentido, como defendem muitos cervejeiros.

Outro ponto é sobre a real necessidade de manter a temperatura da cerveja por quatro horas. Ninguém demora todo esse tempo para “tomar uma”. Além disso, nesse período, o gás foi embora e processos como oxidação já deterioram o aroma e sabor da bebida.

Tem também a questão econômica. Um único copo pode custar entre R$ 150 e R$ 250. Com o mesmo valor, dá para comprar várias cervejas, copos e caixas térmicas.

O fato é que um copo como esse tem, sim, o seu lugar. Para se beber uma cerveja na praia, ou na piscina, por exemplo, onde ela esquenta muito rápido, ele é bastante adequado. Enfim, se você tem dinheiro sobrando, pode ser uma ótima opção para os dias quentes e programas ao ar livre.

Mercado Cervejeiro
22/09/2022 às 10h58.

Oktoberfest: Conheça as 5 maiores do mundo

Você sabia que a festa de Munique não é a maior do mundo? Saiba quais são as cinco maiores Oktoberfests e suas curiosidades.

Compartilhe
Mercado Cervejeiro
19/09/2022 às 15h14.

De 2013 até os dias atuais. A expansão do Mondial no Brasil

Gabriel Pulcino, gerente de negócios do Mondial de la Bière conta um pouco sobre as histórias por trás de um dos maiores festivais de cervejas do mundo.

Compartilhe