1. Home
  2. /
  3. Degustação
  4. /
  5. Cerveja salgada existe: conheça o estilo Gose
Cerveja salgada existe: conheça o estilo Gose
Em 27/01/2022 às 12h21.

Cerveja salgada existe: conheça o estilo Gose

Ácida e salgada, a Gose resistiu ao tempo e às adversidades para fazer sucesso no atual crescimento das Sours.

Luis Celso Jr.
Por Luis Celso Jr., cervejar.com
Jornalista e Sommelier de cerveja

Cervejas podem ser doces, amargas e até ácidas. E salgada, existe? Sim, e não é de hoje. A Gose é um estilo tradicional na Alemanha. E já superou diversas adversidades. Mudou de cidade, quase desapareceu e foi reestabelecido, tanto no país europeu, quanto nos Estados Unidos. Hoje participa da atual da onda de Sours, as cervejas ácidas, no mundo e no Brasil também.

Na sua versão tradicional, o nome do estilo é Leipzig Gose. A data de origem é incerta, mas possivelmente milenar. Seu nome é atribuído ao riacho Gose, que corta a cidade de Goslar. Porém, após o declínio da mineração, o estilo se popularizou mesmo a cerca de 180 quilômetros a oeste dali, na vizinha Leipzig, capital da Saxônia.

No passado, a tecnologia de tratamento de água e de manejo de leveduras era muito menos desenvolvida. A cerveja ficou salgada porque a água do rio Gose é salobra. E ácida porque era fermentada com uma mistura de leveduras, leveduras selvagens e bactérias láticas – já que ainda não existiam leveduras isoladas em laboratório, como hoje em dia.

Além disso, a Gose leva de 50% a 60% de malte de trigo na receita e pode utilizar sementes de coentro. Na hora do consumo, era possível beber ela pura ou com xaropes ou licores adocicados de frutas, que suavizavam a acidez. O mesmo acontecia com sua contemporânea Berliner Weisse, na capital alemã.

O resultado é uma cerveja de cor amarela e turva, já que não é filtrada, e com espuma vigorosa. Uma apresentação esplêndida se tradicionalmente servida nos altos copos cilíndricos. Salgada e ácida, tem baixo amargor e um perfil seco e condimentado, por conta das sementes de coentro.

Apesar dos ingredientes soarem estranhos, esse conjunto deixa a bebida refrescante, graças também à sua alta carbonatação e ao baixo teor alcoólico. E por ser uma especialidade regional, a Gose é o único estilo alemão que tem a permissão de usar ingredientes que não seguem a Lei de Pureza da cerveja daquele país.

Quase extinta

Esse estilo de cerveja foi quase extinto. As cervejarias da região sofreram muito com os bombardeios da II Guerra Mundial, e várias delas não conseguiram se reerguer. Com a Guerra Fria e a separação da Alemanha pelo Muro de Berlim, essa cerveja só era fabricada no lado Oriental, e com muita dificuldade.

A exigência do governo em utilizar os cereais apenas com fins de alimentação foi o golpe final. Somente após a queda do Muro de Berlim, no final de 1980, ela renasceu pelas mãos de alguns cervejeiros antigos, que conheciam as técnicas e os segredos de sua fabricação.

Renascimento

Atualmente, a Gose continua sendo fabricada na Alemanha, em Leipzig e Goslar, que retomaram a produção histórica. Mas, esta cerveja também ganhou o mundo. Nos Estados Unidos, já nos anos 2000, com o crescimento das cervejas ácidas, diferentes interpretações deste estilo surgiram, com frutas e outros condimentos.

Hoje, há duas denominações no guia de estilos da Brewers Association, a associação das microcervejarias americanas: Liepzig Gose e Contemporary Gose. O primeiro fica para a versão tradicional, enquanto todas as versões com outros ingredientes e frutas cabem no segundo.

Mercado Cervejeiro
22/09/2022 às 10h58.

Oktoberfest: Conheça as 5 maiores do mundo

Você sabia que a festa de Munique não é a maior do mundo? Saiba quais são as cinco maiores Oktoberfests e suas curiosidades.

Compartilhe
Mercado Cervejeiro
19/09/2022 às 15h14.

De 2013 até os dias atuais. A expansão do Mondial no Brasil

Gabriel Pulcino, gerente de negócios do Mondial de la Bière conta um pouco sobre as histórias por trás de um dos maiores festivais de cervejas do mundo.

Compartilhe